Sonho é destino – Parte XVI

- Foi no deserto, no meio do nada, a caminho de Las Vegas... Sabe, de tempos em tempos, um carro parava para abastecer. Era o último posto antes de Las Vegas. Havia uma cadeira e uma caixa registradora. Não cabia mais nada. Eu estava dormindo e ouvi um barulho. Sabe, como se fosse na minha cabeça. Então eu me levantei... Andei até lá fora e fiquei parado na beirada… Onde o posto de gasolina acaba. Sabe, na entrada de carros. Esfreguei meus olhos, tentando enxergar o que estava havendo. E lá longe, do outro lado do posto, havia uns pneus enfileirados… Presos com correntes. E percebo que há uma van Econoline lá perto. E um cara sem camisa. E ele está carregando a van Econoline… Com todos aqueles pneus. Ele está com os dois últimos pneus nas mãos. Ele os empurra para dentro da van. E eu, é claro, digo: “Ei, você!” O cara então se vira. Ele está sem camisa. Está suando. Forte como um armário. Saca uma faca de 3 centímetros… Eu penso… “Isto está errado.” Eu entrei… Enfiei a mão atrás do caixa, onde o dono guardava um revólver 41. Eu saquei a arma… Destravei-a… E quando me virei, ele estava entrando pela porta. Eu vi seus olhos. Nunca esquecerei os olhos daquele cara. Ele tinha maus pensamentos a meu respeito em seus olhos. Disparei uma vez e acertei nele... boom! Bem no peito. Bang! Tão rápido quanto ele entrou pela porta, ele saiu. Foi parar entre as duas bombas, comum e aditivada. Devia estar drogado, com anfetaminas ou algo assim, pois ficou de pé. Ele ainda estava com a faca e havia sangue cobrindo o seu peito todo. Ele se levantou e fez isso, só se mexeu um pouco. Fiquei chocado. Então, segurei o gatilho, bati no tambor, como antigamente… E o lancei para fora do posto. Desde então, eu sempre carrego isto. Uma população bem armada é a melhor defesa contra a tirania.
- Um brinde a isso.
- Sabe, não uso isto há muito tempo, nem sei se ainda funciona.
- Puxe o gatilho e descubra.

Fonte: Waking Life (2001)